sábado, 4 de maio de 2013

Eu Li : Solidão não combina comigo




“É que solidão não combina comigo. Eu consigo me ver claramente naquelas festas lotadas, com gente ao meu redor usando estasy e heroína. Enquanto eu sou o cara limpo e bem vestido. Que está com o terno sem gravata e o com a blusa branca cheia de manchas coloridas. Além de ter diversas pessoas nos meu pescoço e me segurando das formas mais diversas e estranhas. Sempre imagino isso na sala de aula, geralmente nas aulas mais chatas: Educação Física, Biologia e Estudos Sociais. Eu acho que meu momento irá chegar, o problema é você esperar quando ele chegar. O chato da situação é você respirar fundo quando zombam ou fazem algo babaca com você e dizer para si mesmo “Você ainda vai ser alguém e vai rir da cara de todos eles”. É doloroso aguentar todos os dias a mesmice de sua escola e ser um zero à esquerda. Você se cansa disso mesmo quando colocam você numa espécie de notação científica e dizem que existe valor em ser quem você é. As escolas não se preocupam realmente com o critério personalidade, a maioria tem limites e regras que não fazem sentido e que são apenas demonstrações de poder. Não me importo que existam milhões de leis, apenas quero ver sentido nelas. Eu odeio a minha escola, mas na maior parte das vezes eu a amo. É como se ela fosse um cafajeste em minha vida, sei que ela tem diversos defeitos, mas ela é a única e a melhor disponível para mim. Enquanto todos esses problemas escondidos dos fatos que exponho, tem outro que parece uma galáxia dentro de mim. A ausência de uma pessoa para eu poder amar à vontade. Tenho vontade de colocar uma placa em mim: “Venha e me pegue”, não exijo prontidão nem nada, apenas venha. Sempre que aparece alguém que me quer, eu coloco logo uma fila indiana de empecilhos para atrapalhar tudo. Depois fico reclamando comigo mesmo que exijo demais, mas poxa? As coisas não podem ser um pouco mais do meu jeito? A vida é minha, então acho que as circunstâncias deveriam ser adaptar melhor a este fato. Escola e amor não são todos os meus problemas. Existem problemas diferentes em minha vida, como financeiros, de saúde, de organização, de crença e todos estes que existem nos países desenvolvidos e principalmente nos subs. Talvez eu seja isso, uma espécie de país humano sub-sub-desenvolvido. Eu sei de uma coisa e me recuso a aceitar isso, porém é a verdade, eu sou um problema que todos se recusam a resolver.”

Autor : Vinícios Canário